Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Planejamento como estratégia para articular as políticas da Unespar

Ensino Superior

Planejamento como estratégia para articular as políticas da Unespar

GESTÃO SUPERIOR DA UNESPAR

Dentre as pró-reitorias que constituem a administração superior da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), nesta semana, o destaque é a Pró-reitoria de Planejamento (Proplan).

 

À frente das ações está o pró-reitor, professor Flávio Brandão Silva. Vinculado ao curso de Letras do campus de Paranavaí, Brandão acumula a função de coordenador local na comissão de redação do vestibular e de orientador do PDE. Já atuou como chefe da divisão de Graduação do campus e presidente do Copertide que acompanhava os processos e execução dos projetos de TIDE do campus. Também é mestre em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp) e doutorando em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

 

Desde junho de 2015, Brandão responde pela Proplan – responsável por orientar os rumos da universidade e auxiliar na definição das principais políticas institucionais. Como destaca, uma área “de grande relevância no âmbito da gestão e organização da Unespar que também tem entre as atribuições acompanhar a execução das metas que se apresentam no Plano de Desenvolvimento Institucional”.

 

Embora avalie que a universidade caminhou bem nos primeiros anos de existência e conseguiu efetivar uma estrutura mínima de organização de trabalho, o pró-reitor observa que é sempre um desafio trabalhar em uma instituição multicampi e multiregional que apresenta muitas especificidades.

 

Conforme descreve, a expectativa nos próximos anos é conseguir articular as diferentes políticas no ensino, na pesquisa, na extensão e na gestão diante dos desafios. “Estamos vivendo ataques frequentes contra a universidade pública do Paraná. Esses ataques acabam interferindo diretamente na Unespar, por ser uma universidade nova e que nasce inserida em um contexto conturbado, no que diz respeito às políticas de governo voltadas ao Ensino Superior”, aponta.

 

Uma das metas definidas pelo setor é a captação e a busca alternativa por recursos. Para isso, objetiva realizar um trabalho que desenvolva soluções e estratégias que possibilitem resolver os problemas pontuais.

 

Outros pontos considerados essenciais referem-se às áreas de tecnologia da informação e comunicação. A proposta é desenvolver ou buscar ferramentas de informática eficientes para auxiliar na atuação da gestão e de outras atividades acadêmicas. Com vistas a atender essa demanda foi criado um núcleo de tecnologia da informação, na universidade.

 

Brandão argumenta que a novidade é um avanço não só para a própria Proplan. “Acreditamos que o núcleo vai beneficiar a universidade como um todo e melhorar o fluxo das informações. O núcleo visa a não só conceber e executar políticas na área de tecnologia da informação como também dar suporte aos diferentes segmentos da universidade no que diz respeito à tecnologia”, explica.